segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Síndrome de carpe diem

"Sê sábia, filtra o vinho e encurta a esperança,
pois a vida é breve. Enquanto falamos, terá fugido
ávido o tempo: Colhe o instante, sem confiar no amanhã"

Tem certos caminhos na vida que percorremos de olhos fechados. Para outros, precisamos ter os olhos bem abertos, e ainda assim, são como saltos no escuro. Aviso desde já que este aqui é um post bem clichê.

Ao tomar direções, ao pensar no futuro, tenho medo de sair de mim, medo de ser livre, de perder o controle sobre minhas emoções. Medo de ser eu mesma. Às vezes, sinto como se tivesse que curtir a vida toda em um segundo. Outras vezes faço planos como se tivesse a vida inteira pela frente. É quase como um comercial de banco: uma mensagem de
carpe diem com a advertência do "faça com moderação" nas entrelinhas.



O que me conforta é que a natureza do ser humano é mesmo a contradição. Só que também tenho medo de ser mais uma dessas pessoas que andam por aí com a humanidade perdida. Tenho medo de me deixar levar e me habituar à cegueira dos instintos.

É assim que percebo que tenho duas faces. Quem é que não tem? Só não sei qual delas reflete o meu verdadeiro eu. Se é a que segue as regras ou se é a outra. A menina independente de valores, que tem suas próprias convicções. Ou a disciplinada, obediente. Minha consciência ainda pesa em certas situações. Mas, em outras, sou tão dona de mim...

Não sei se é aí que está o equilíbrio da minha trivial existência. Ainda não consegui entender. Talvez seja só a vida querendo me ensinar a jogar, me fazendo amadurecer... Quem sabe daqui algum tempo poderei dizer que aprendi e que me encontrei, ou então, terei me perdido de vez.

Neste fim de ano, decidi não fazer planos. Creio que, dessa vez, 2010 vai começar diferente pra mim. Embora eu quase sempre volte pra casa, longe, a placa anuncia a curva, e esse caminho, eu não sei onde vai dar. Devo manter os olhos fechados?

4 comentários:

Interferência disse...

Acho impossível não fazer planos para o ano seguinte, mesmo que seja num nível semi-consciente. É da nossa natureza tentar antecipar alguns eventos para garantir a nossa continuidade e/ou bem -estar, não?

Mas, de qualquer forma, o importante é ficar bem. Na dúvida de ficar ou não com olhos fechados, mantenha um aberto, rs. Feliz Ano Novo!

Eduardo Santos disse...

Que bom q vc voltou, é muito bom poder ler um post seu novamente. Tenha um Feliz Ano Novo e que 2010 seja um ano positivo pra todos nós. Te aguardo aqui em Janeiro.
Pra ajudar a se planejar em 2010, dê uma passada no meu blog e baixe um calendário que fiz.
http://www.onomenaodizmuito.blogspot.com/

CrápulaMor disse...

Nenhuma síndrome de Carpe Diem faria eu pular de paraquedas. A minha síndrome do pânico falaria mais alto.

Apesar de eu concordar que a natureza humana é mesmo contraditória, também me pego neste dilema. Às vezes tenho a nítida sensação de que a minha vida está passando e eu estou disperdiçando o meu tempo. Principalmente depois de fazer 24 anos, sinto que a melhor fase - aquela em que você tem muita energia, muito tempo livre e poucas responsabilidades - passou e eu não aproveitei como deveria. Algumas pessoas parecem saber tão bem como fazer isso: aproveita a vida. Parecem passar por todos os caminhos de olhos fechados... Aumenta a pressão! Mas, no final, fico com a versão de que ainda falta muito, de que a maturidade e a estabilidade que vêm com o tempo trabalham ao nosso favor. Não sei se é a versão mais correta, mas é a mais confortável.

Anônimo disse...

Belo texto! Embora não tenhas verbalizado teus planos para 2010, sabes o quanto fizeste em 2009 para teres anos melhores. Parabéns pelas conquistas!