segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Blog: uma "nova" literatura?

Está aí uma questão difícil de mensurar. A blogosfera é um mundo a parte dentro do ciberespaço. Nesse mundo, é possível encontrar de tudo, para o bem ou para o mal. O fato é que as próprias características do gênero blog permitem uma diversidade de escrita que não o amarra a nenhuma categoria: jornalística, literária, crítica, opinativa, confessional... As possibilidades são infinitas.

Aliás, há até quem resista em classificá-lo como gênero. A livre expressão e a hibridez de linguagem fazem-no navegar sem uma direção muito bem definida nesse oceano de informações proporcionado pela Internet. No entanto, na necessidade de teorizar sobre o fenômeno da ciberescrita - as diversas que nascem com a explosão das redes sociais que, a cada instante, criam novas galáxias nesse universo virtual -, alguns autores instituem o conceito de e-gênero, os gêneros eletrônicos ou ainda gêneros textuais digitais, onde enquadram-se os blogs.

Os blogs são espaços que permitem uma escrita diferenciada, sem limites, embora fragmentada, e que mescla signos que vão do sonoro ao visual, do imagético ao textual, uma escrita constituída mais do que somente por letras e palavras; composta por bytes, as unidades de informação que formam o código digital e são responsáveis por armazená-lo na Web. Cada byte, contém oito bits e a reunião deles em um sistema organizado de códigos permitem a configuração desse intrincado e irresitível hipertexto, que nos leva por janelas a fora na rede mundial de computadores.

Criei meu próprio blog na rede há quatro anos para ocupar um período de tempo ocioso de minha vida e, hoje, não apenas o meu blog, como a blogosfera de um modo geral, ocupa grande parte de meus afazeres e pensamentos: tenho um objeto de pesquisa. Na verdade, sempre tive o hábito de escrever, seja em diários, agendas ou mesmo em rodapés de livros, cadernos, páginas soltas, pequenos blocos de anotações... Foi fácil, então, me sentir atraída por essa espécie de papel virtual.

Cada novo post é uma parcela incorpórea de um sistema digital que me permite criar um arquivo pessoal na Internet e compartilhá-lo com um público leitor, usuários da rede como eu, que também encontram nesse novo universo uma nova forma de praticar e fruir, de maneira assíncrona, diversos tipos de informação, dentre elas a literária. Foi assim que adiquiri o hábito de "fuçar" a Internet em busca de blogs, cada um com a "cara" de seus autores, mundinhos particulares que refletem a alma, o coração e o intelecto de quem os cria para livre avaliação e interpretação de quem os descobre.

Nessas minhas incursões pela blogosfera, encontrei diversos tipos de textos, alguns capazes até de unir qualidade de estilo e maturidade de escrita a um aguçado senso crítico, tudo aos moldes do hipertexto. Quando optei por fazer dos blogs meu objeto de estudo, minha principal questão era: será que esses textos - que provocam deleite e devir, baseados em fatos reais ou pura ficção, em formato de prosa ou poesia, tantas vezes escritos por anônimos ou desconhecidos, e que ainda assim agregram inúmeros admiradores - podem ser classificados como Literatura?

Se considerarmos o conceito de literatura como a arte de criar e recriar textos capazes de produzir efeito estético e provocar a catarse, a resposta é sim. Mas, e se consideramos a definição de Literatura do ponto de vista canônico, será que a resposta é a mesma? 

Na fase de elaboração do projeto de pesquisa, percebi que, mais produtivo do que tentar definir o que é ou não Literatura é encontrar um caminho para decidir o que torna um texto, em sentido lato, literário. Assim, assumi a missão de investigar qual o lugar da literatura quando entram em cena os novos formatos de escrita possibilitados pelas tecnologias digitais e, dessa forma, especificar as singularidades que esses discursos apresentam no ciberespaço a partir do conceito de webliteratura.

À revelia do questionamento se o que não é canonizado pode ser ou não considerado Literatura, o qual parece eternamente sem resposta, podemos dizer que, na Web, é possível encontrar um “outro” literário que, embora se aproxime, ao mesmo tempo, se distancia dos moldes pré-definidos pelo cânone, uma vez que se constrói a partir da subversão de fronteiras permitida pelo universo virtual e pelo hipertexto.

E, como se configura essa modalidade diferenciada de discurso literário e produção narrativa que se manifesta a partir do surgimento da Internet? Esse é o assunto que pretendo trazer para discussão na mesa "Blog: uma 'nova' literatura?" (dia 4 de setembro, às 15h, no Hangar Centro de Convenções da Amazônia), que intregará o seminário "Leitura e escritura na Era da Internet", o qual faz parte da programação da Feira Pan-Amazônica do Livro 2011, marcada para o período de 02 a 11 de setembro de 2011.

Se você é fã de blogs e de literatura, como eu, não perca!

:)

Responda você também: na sua opinião, blog é literatura?
 

10 comentários:

Jen__@ disse...

Nossa, muito legal!! Seu eu estivesse em Belém, iria com certeza...

Thiago Batista disse...

Está anotado, dia 4 de setembro estarei lá. Abraços!

Interferência disse...

Como vc disse, depende do que se considera como literatura. Me instigou a escrever um pouco mais sobre isso: http://interferente.blogspot.com/2011/08/resposta.html

Assunto que rende, rs

A Prima disse...

À pedidos...

Ô, môdeus! Por isso sempre digo que essa menina só me dá orgulho! :.D

Prima, que lindo, tô emocionada em saber que você vai sempre cada vez mais longe! Que chique, me dá um autógrafo! Hahaha

Queria muuuito te ver falar sobre esse assunto! Dia 4/09 é domingo? Se for, farei o possível para estar presente.

Um beijo no coração, prima, morro de saudade!

Su.

Anônimo disse...

A discussão se blog é ou não literatura é como a que se refere ao fato do blog ser um gênero ou um suporte: depende do referencial (teórico, conceitual, interpretativo...).

Anônimo disse...

Já estou lá :))))

Anônimo disse...

Acho que não.O Blog não é Literatura,e sim, um suporte que recebe textos literários ou não. Assim como temos o livro, as diversas mídias,o caderno... A Literatura é o assunto, o conteúdo... . Jéssica adorei o blog, a temática e te vejo na Feira. Bjão. Ândrea Carvalho

Franz disse...

Oi, Jéssica, passei para conhecer o blog e parabenizar mais uma vez pale sua palestra na Feira Pan-Amazônica.

Paraônicamente,
Franz

Léa Paraense Serra disse...

Ah... perdi o evento. Mas vou dizer o que acho: para mim, na construção de um conceito que fiz ao longo dos anos, para ser literatura tem que ser poético. Portanto, o blog pode ser ou não literário, depende da postagem.

É comum ouvirmos com referência a diversas áreas do conhecimento: "não há registro na literatura", "a literatura nos informa que..." será que é correto usar o termo para toda forma de registrar através da escrita?

Você deve saber. Parabéns pela participação na XV Feira Pan-Amazônica do Livro.

Anônimo disse...

Gêneros... palavra-problema...